A espiritualidade anêmica é aquela que se alimenta de versos isolados, que baseia a fé em correntes e/ou campanhas, que crê que a oração do pastor ou do bispo é “mais forte”, que a adoração e devoção só se dão em determinados locais geograficamente determinados pelos líderes. A espiritualidade anêmica é aquela que enfatiza as riquezas materiais em detrimento da salvação, como a maior riqueza dessa vida. É aquela espiritualidade que enfatiza que as bênçãos de Deus devem ser medidas pela saúde, prosperidade, sucesso e vida luxuosa, desprezando o sofrimento. É aquela espiritualidade que convida pessoas a “pararem de sofrer”, deixando de lado que a figura do Messias Esperado, relatado no Antigo Testamento, é a do Servo Sofredor. É a espiritualidade que se baseia na troca, na barganha e nas expressões deterministas e que não ensina que somos fracos, falhos e pecadores.

É a espiritualidade que nada fala sobre eternidade, só de vitória material, de conquistas efêmeras e de curas milagrosas, valorizando esse corpo que deverá voltar ao pó da terra. É a espiritualidade que valoriza o amor ao dinheiro e aos prazeres que ele pode oferecer, que foi tão combatido por Jesus. É a espiritualidade que coloca o ser humano no trono e Deus como Aquele que recebe ordens de filhos mimados. É a espiritualidade destituída de adoração, devoção e rendição, que são trocadas por rituais religiosos, cobranças litúrgicas, requisição de retorno do tempo e dinheiro investido, de uma fé cega que aliena e neutraliza a razão humana, tão valorizada no contexto do Novo Testamento.

Inicialmente, essa espiritualidade anêmica não apresenta sintomas, mas com o decorrer do tempo, ela fará com que não haja resposta diante das situações cotidianas e nem perante o destino final da vida após a morte. Essa espiritualidade não nutre a lama do pecador, não faz dele um ser humano parecido com Jesus, uma pessoa que reflete a imagem de Deus. Pelo contrário, essa espiritualidade enfatiza a emoção, coloca o homem como centro de tudo, e leva a pessoa a ser mimada, alguém que deseja somente as bênçãos divinas de cunho material.

Essa espiritualidade anêmica um dia começa apresentar seus sinais, pois suas propostas só satisfazem por um tempo e não preenchem o vazio interior, não levam o pecador e buscar a Deus em tudo, pois enfatizam Deus como o meio de se conquistar patamares cada vez mais elevados. Essa espiritualidade um dia cobra o preço de sua rapidez, e deixa a pessoa fragilizada, magoada, decepcionada, e desestruturada.

A cura para a espiritualidade anêmica

O evangelho “é o poder de Deus para salvação”, assim sendo, é o alimento de nossas almas. As pessoas que professam Jesus Cristo como Senhor e Salvador aprendem, ou deveriam aprender, a nutrir suas almas com a Palavra de Deus. Jesus mesmo disse, na famosa oração sacerdotal: “Santifica-os na verdade, a Tua palavra é a verdade” (João 17:17).

A Palavra de Deus é o alimento que irá produzir uma vida santa e desenvolver a salvação. A Palavra de Deus há de ser o alimento de nossas almas. Alimento que nutre e sara. Nutre a alma de esperança, fé e amor, sara das mentiras, vaidades e paixões desse século. A Palavra promove uma desintoxicação no coração e mente dos discípulos de Jesus, que se deliciam na leitura e estudo da Palavra eterna, pois a Palavra, nos lábios de Jesus é a verdade.

Nosso Mestre também disse que ao passo em que “conhecemos a verdade, a verdade nos libertará”, por isso essa Palavra poderosa que transforma, salva e liberta também imuniza o pecador. As porções diárias de leitura da Palavra aliada a períodos devocionais de oração, contrição e louvor irão nutrir a alma e imunizar o pecador diante das paixões desse século. Um coração firmado na Palavra de Jesus é um coração que não sofre de anemia espiritual. E um coração sadio e revigorado. É um coração alimentado pela verdade do Senhor que promove libertação. A ação infecciosa e contagiosa do pecado é expurgada com a Palavra, por isso que os que forem “lavados pelo sangue o cordeiro” terão acesso ao reino de Deus.

Para não sofrer de anemia espiritual, não podemos negligenciar a comunhão com Deus, leitura e estudo bíblico e a pregação da Palavra de Deus, pois a “fé vem de ouvir a Palavra de Deus”. Para combatermos essa espiritualidade anêmica pregada e ensinada por vários cantos do nosso país, precisamos redescobrir o valor nutritivo do evangelho e o poder das Escrituras para nosso fortalecimento espiritual.

Nutra sua vida com o evangelho para não viver uma espiritualidade anêmica. Priorize o Reino e sua espiritualidade promoverá vigor na caminhada cristã. Que o evangelho seja seu alimento para suportar os dias maus e miseráveis.

Fonte: Revista Ultimato

  • por: Jeferson Rodolfo Cristianini é pastor da PIB Bauru.