Das 77 pessoas que viajavam no voo 2933 da LaMia, só seis pessoas sobreviveram à tragédia na qual grande parte dos mortos eram membros da Chapecoense.

A Goal relembra como estão os afortunados que enfrentam uma dura prova para recomeçar suas vidas. Alguns voltaram a jogar futebol, outros ajudam dividindo sua experiência.

ALAN RUSCHEL


GERMANY ONLY Alan Ruschel Chapecoense

Ele foi o primeiro sobrevivente resgatado. Ele sofreu compressão na tíbia, abdominal e fratura da vértebra 10. Dos três jogadores do clube que sobreviveram à tragédia, ele foi o primeiro a voltar a treinar com a Chapecoense. Ruschel voltou aos campos em 7 de agosto durante o Troféu Joan Gamper contra o Barcelona. Quase um mês depois, ele marcou em uma derrota por 4-1 contra Roma em uma partida amistosa. Ele reapareceu em uma partida oficial em 14 de setembro no jogo contra o Flamengo para a Copa Sul-Americana.


JAKSON FOLLMANN


Jackson Follmann Chapecoense 09022017

Pelo acidente, perdeu a perna direita, que marcou a aposentadoria do futebol . Ele atualmente trabalha como comentarista esportivo da Fox Sports Brasil. Através de suas redes sociais, ele compartilhou todos os detalhes de sua recuperação. “Vejo que com uma perna eu posso ir mais longe do que os dois, a amputação só tirou minha perna, mais nada, eu faço muitas coisas, desafio-me todos os dias e vejo que a complicação é apenas na cabeça”, disse ele há alguns dias.


NETO


Helio Zampier Neto Chapecoense 14112016

Helio Hermito Zampier, mais conhecido como Neto, teve o sonho premonitório de que o avião falharia. Ele foi o último sobrevivente a ser resgatado. Eles o encontraram sob as ferragens quando os socorristas acreditavam ter removido todos os corpos. Ele sofreu fraturas expostas e foi internado sob cuidados intensivos em um hospital local, onde permaneceu em coma induzida e sob respiração artificial. Ele foi operado em um pulmão, um joelho, um pulso e o crânio. Apesar de seu complicado estado de saúde, ele se recuperou e retornou ao clube para treinar e jogar de novo.


RAFAEL HENZEL


Rafael Henzel Chapecoense 20012017

Dos 21 jornalistas que viajaram no avião, Henzel foi o único que sobreviveu. Narrador para Radio Oeste Capital FM participa de um programa matinal e à tarde continua a cobrir as partidas da Chapecoense. Ele expressou sua experiência no livro “Live como se todos os dias fossem os últimos”, ele apresentou em junho passado. Ele tem uma cicatriz perto do olho direito, uma pequena lembrança do acidente que causou uma hemorragia pulmonar e fratura de várias costelas, exigiu cirurgia e respiração artificial para se recuperar, e sofreu pneumonia.

O jornalista de 43 anos sobreviveu graças a que mudou de assento quatro vezes durante o voo, em parte por causa de Leo Messi. Henzel iria sentar-se no corredor da penúltima fila, mas um membro da imprensa disse-lhe que queria ocupar aquele lugar, como lhe disseram que ficaria sentado no atacante argentino semanas antes. Essa pessoa morreu. “Na verdade, esse Messi é muito chocante para mim”, lembrou ele.

“Agora estou muito mais apaixonado pelo que faço”, disse ele no dia da apresentação do livro.


XIMENA SUÁREZ


ximena suarez azafata

Comissária de bordo, mãe de dois filhos, o mais novo diz na escola “minha mãe é a que caiu do avião”. Ele sofreu uma fratura da tíbia e da fíbula, também de raio e ulna. Após o impacto da aeronave, ele deixou entre os restos juntamente com Erwin Tumiri. Ela foi a última sobrevivente a sair do hospital.

A tragédia o deixou com consequências: “Sempre sonho com o que aconteceu e meus psiquiatras me disseram que por muito tempo será assim, tenho medo da escuridão, eu sempre dorme com a luz no corredor”. Além da marca psicológica, ele tem uma cicatriz no braço direito e uma tatuagem do avião LaMia decolando. “É o tributo que quero fazer aos meus amigos que não estão mais lá, porque quero que meu corpo preserve para sempre a imagem desse avião que mudou nossas vidas”, explicou em uma entrevista com Caras.

Eu retomou minha carreira de modelo com a ajuda dos Megamodels de Megatlon em Santa Cruz, Bolívia, embora ela reconheça que eu trabalharia como abeleira. “Foi meu sonho quando criança e não vou desistir. Agora eu me tornei um modelo de passarela novamente, que é a minha outra paixão pela juventude.

Ele está programado para conversar em Curitiba, Brasil, antes de 600 membros da equipe e pilotos de avião, quando um ano após o acidente terminar.


ERWIN TUMIRI


erwin tumiri

Pouco se sabe sobre o mecânico de aeronaves. Ximena Suárez diz que ainda está em contato com ele. Ele estava na parte de trás do avião com o comissário de bordo no momento do acidente. Ambos saíram dos escombros e se afastaram por medo de uma explosão.

Isso resultou em ferimentos menos graves que não colocaram sua vida em risco e receberam ajuda psicológica. Ele foi o primeiro dos sobreviventes a ser de alta. Quando ele retornou à Bolívia, ele foi hospitalizado para permanecer sob observação por apresentar um ligeiro edema cerebral causado pelos contusões dos golpes sofridos no impacto do avião.

Sua última aparição pública foi em abril passado no programa Don Franciso Te Invita, no qual falou sobre o acidente. Lá se encontrou com Teobaldo Garay, um bombeiro peruano que o resgatou.

Fonte: Yahoo