O pastor Caio Fabio usou as redes sociais nesta terça-feira (30) para comentar os quatro dias que passou na penitenciária da Papuda, no Distrito Federal.

Preso pela Polícia Federal no dia 24, sua detenção foi tratada como boato até que “vazou” um áudio onde ele procurava explicar a situação para as pessoas ligadas ao seu ministério. Dois dias depois, outro áudio, gravado pela sua esposa, Adriana pedia que as pessoas orassem por ele e evitassem falar no assunto, mas ressaltou que Caio Fabio estava evangelizando lá dentro.

caioo

Solto com Habeas Corpus no sábado, o pastor postou um breve vídeo nas redes sociais onde afirmou que seus dias na penitenciária foram “de envio apostólico missionário”.  Segundo ele, tudo ocorreu para que cumprisse o que havia pregado na semana anterior, sobre os cristãos serem “cartas vivas”. Declarou que foram “dias de milagres, de graça e de maravilhas” e que teve um sinal singelo “que tudo aquilo foi apenas missão”.

No vídeo desta terça, ele mostra imagens do momento em que foi solto e foi enfático ao declarar que houve choro dos outros detentos pela sua partida. “Eu tenho 136 pessoas de testemunha lá dentro, por que eles me trataram como se Jesus tivesse ido passar 3 noites e um dia na prisão”. O texto que acompanha o vídeo diz: “”Na Papuda, fui tratado como se fosse Jesus, por todos!”

O pastor ressaltou ainda que foi tratado “como um anjo do Senhor por todos: os internos e a administração”. Explicou que recebeu muito “carinho e reverência” e ouviu que cerca de 90% dos que estão na papuda tem o hábito de assistir suas ministrações e programas da Vem e Vê, sua TV online.

O líder evangélico disse que fez a diferença na Papuda, enchendo o lugar de luz e que “está  impregnado para todo lado, como a semente do Reino que vai entrando em todos os lugares”. Finalizou agradecendo a Deus “por tudo isso”.

Entenda o caso

O líder do Caminho da Graça responde na justiça pelo envolvimento no chamado “dossiê Cayman”, uma série de documentos falsos que vieram à tona em 1998, nas vésperas da eleição presidencial. Ele continha dados sobre uma empresa e de contas que supostamente eram controladas por Fernando Henrique Cardoso, candidato à reeleição.

O conjunto de papéis também mostrava depósitos de US$ 368 milhões nessas contas, dinheiro arrecado por meio de propina recebida pela privatização de empresas do setor de telecomunicações.

A participação de Caio teria sido uma intermediação, junto a Lula, o principal concorrente de Fernando Henrique. O pastor sempre negou ser culpado, dizendo ter sido envolvido por terceiros.  Acabou condenado em 2011, mas recorreu. Este ano, por falta de acompanhamento do seu advogado, acabou levado para a prisão.

Fonte: Portal Gospel Prime